in

Saúde mental e os esportes olímpicos

Saúde mental e esportes olímpicos1
Reprodução

Durante os jogos olímpicos vimos atletas falando sobre como a saúde mental dos atletas é afetada devido a alta exigência (pessoal e coletiva) pelo sucesso.

Quanto maior a expectativa, maior a exigência, maior a pressão, maior o stress, isso vai minando sua saúde mental.

Basta lembrar daquela pressão que recebe no trabalho e como afeta seu sono, alimentação, humor…

Imagine milhões de pessoas falando “Vamos, esse relatório é pra ontem…”

PUBLICIDADE

A cada ano, vemos atletas de alto rendimento falando sobre a importância de uma MENTALIDADE FORTE para tingir sucesso (MAMBA MENTALITY, KOBE BRYANT).

Mas isso não é algo fácil de se atingir. Porque saúde mental não se trata apenas de “treinar a mente”. Existem fatores biopsicossociais que influenciam.

E quando não se atinge o sucesso? Vem a derrota, a decepção, a cobrança ou “fracasso”. É um LUTO.

Chimamanda Adichie em seu livro “NOTAS SOBRE O LUTO”.

“O luto é uma forma cruel de aprendizado. Você aprende como ele pode ser pouco suave, raivoso… Não sabia que a gente chorava com os músculos”, descreve Chimamanda Adichie em seu livro “NOTAS SOBRE O LUTO”.

O atleta precisa elaborar esse luto, essa dor, decepção pessoal e dar satisfação para a coletiva. Um exemplo: Medina não quis passar pelos reporteres após perder a medalha. Ele não se sentiu a vontade no momento. Era seu momento de luto.

Raiva, medo, culpa, são vários sentimentos a serem administrados, ao mesmo tempo que alguém pergunta: “ESPERÁVAMOS MAIS DE VOCÊ”

Tropeçamos; oscilamos entre uma alegria extrema e forçada e a agressividade passiva, TENTANDO se reequilibrar após derrotas, para só assim, transforma-las em aprendizado, aceitação e conseguir dar a volta por cima.

E se você tá falando: “Ah mas nunca teve isso…” Teve sim, sempre.

Só não era noticiado, comentado, discutido. Que bom que de tempos em tempos aparece alguém com coragem de reconhecer ser vulnerável.

PUBLICIDADE

Reportar erro

Escrito por Romulo Mafra Cruz

Rômulo Mafra, psicólogo CRP 22/00908. Psicologo desde 2009, atuando como psicologo na Secretaria de administração penitenciária do Maranhão a frente da ressocialização, psicologo clínico, mestrando em ciências da educação.

Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0
Os altos e baixos de uma patinadora com Transtorno Bipolar

Os altos e baixos de uma patinadora com Transtorno Bipolar

10 sinais que você está em um relacionamento tóxico

10 sinais de que você está em um relacionamento tóxico