in

Como lidar com as “birras” das crianças

O motivo das birras podem ser vários. Podem ser questões mais superficiais ou profundas, que necessitam de um olhar mais atento.

Como lidar com a “birra” das crianças
Pixabay

A relação entre pais e filhos necessita constantemente de muitas adaptações, e principalmente, de diálogo.

As crianças são capazes de entender o que dizemos a elas, senão o sentido exato das palavras, a emoção que entoamos ao falar (se estamos contentes, bravos, apreensivos, etc).

Então, tenhamos o costume de conversar com nossos pequenos, estar com eles sempre que podemos e estimulá-los, pois a base do aprendizado começa em casa.

Não é tão incomum nos depararmos com a cena de uma criança chorosa, esperneando e fazendo “birra” em público perante os responsáveis que ficam envergonhados ou muito zangados, sem saber como agir.

PUBLICIDADE

O que pode ter por traz do comportamento de birra?

O motivo das birras podem ser vários: um desejo não satisfeito, sono, teimosia, chamar a atenção para si, falta de alguém chegado, insegurança… Questões mais superficiais ou profundas, que necessitam de um olhar mais atento.

A dificuldade em dizer “não” é marcante em diversas pessoas.

Estas ficam com dó, colocam o outro na posição de “coitadinho”, se sentem mal por não estarem satisfazendo um pedido, ainda mais quando vem de um ser importante para elas, ou simplesmente se irritam e exageram também na repreensão.

Dizer “não” também é um ato de amor

É fundamental que os responsáveis saibam impor limites, usando a razão. Dizer “não” também é um ato de amor, faz parte do processo de aprendizagem, da distinção entre as possibilidades, inclusive, da remoção de perigos.

As crianças são muito espertas: elas insistem e observam até onde podem ir.

Por isso, determinar certos limites é uma maneira de ensinar regras, estabelecer combinados, com compreensão, dessa forma alcançando bem estar para nós mesmos e para as pessoas com quem convivemos.

Aceitar que não podemos ter tudo o que queremos, saber lidar com as frustrações, entender que podemos ganhar e perder como todo mundo são fatores fundamentais para um crescimento sadio.

Ter uma postura rígida, mas respeitosa e simultaneamente carinhosa é possível e necessário. A psicoterapia também pode auxiliar a família nesse contexto.

Os exemplos dados para as crianças irão compor seu repertório quando adultas.

PUBLICIDADE

É preciso exercitar a calma, não ceder e já combinar entre os responsáveis o comportamento que irão adotar para não correrem o risco de se desautorizarem.

Mesmo com os afazeres do dia a dia, estudos, outros filhos, precisamos organizar nosso tempo para oferecer presença de qualidade.

Assim, a formação do vínculo, a confiança serão facilitados o que favorecerá na dissolução dessas birras.

Brincar, contar histórias, assistir vídeos, ajudar nos afazeres da escola, no horário da refeição sentar todos à mesa são alguns exemplos de atividades e horários para se reunir.

Não existe receita pronta, todos vamos nos adaptando e amadurecendo conforme nos propomos a estar constantemente ao lado de alguém.

Reportar erro

Escrito por Patricia C. Occhiucci

Psicóloga (CRP 06/165961), poeta, escritora, palestrante, professora do Ensino Fundamental na disciplina de Ciências Físicas e Biológicas. Apreciadora da natureza e das boas companhias. Nos momentos de lazer gosta de ler romances e ouvir belas canções.

Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0
Mitologia grega: A mulher Atena na modernidade

Mitologia grega: A mulher Atena na modernidade

A disforia de gênero é uma construção social ou biológica?

A disforia de gênero é uma construção social ou biológica?