in

Autoconhecimento: Você tem se escutado?

Você tem se escutado?
Pixabay

Vivemos em uma época na qual somos cobrados a todo momento e o tempo todo. Precisamos fazer faculdade em uma instituição renomada, falar vários idiomas, trabalhar em uma empresa multinacional, namorar, casar e ter filhos.

Mas se você questiona, qualquer uma dessas escolhas, é visto como um estranho. Porque nossa relação com a sociedade é de extrema cobrança do que devemos ser, fazer ou ter.

Passamos a viver de forma reativa, apenas respondendo o que é solicitado e não fazemos o que realmente desejamos, se é que conseguimos definir o que realmente queremos sem que passe pelo desejo do outro, a sociedade.

Mas o que a escuta tem a ver com isso?

Antes de responder a essa pergunta. É necessário diferenciar e definir o ato de ouvir e escutar. Afinal, são ações distintas, que impactam diretamente na forma de como nos relacionamos.

PUBLICIDADE

Sendo assim, ouvir é a capacidade de captar sons através do sentido auditivo, como quando deixamos a TV ligada, enquanto cozinhamos ou ouvimos aquela música tocando ao fundo, durante um jantar.

Diferente de quando escutamos o que a outra pessoa tem a nos dizer. Esse é o ato de escutar, ação de ouvir com atenção e compreensão.

Desta forma, quando paramos para observar o mundo, onde ter é mais importante do que ser. Esquecemos de viver, apreciar e principalmente, de nos escutarmos, naturalizando alguns comportamentos e falas.

Não questionamos os porquês. É aí que está grande o erro. Estamos sujeitos a atitudes preconceituosas, discriminatórias, racistas – que afetam diretamente no conhecimento que temos de nós mesmos, sem o crítico, apenas reproduzimos e criamos uma falsa ideia de nossas atitudes.

E se você observar, atentamente, vai perceber que isso acontece com muita frequência.

Quando iniciamos uma relação, por exemplo, aquelas famosas perguntas no primeiro encontro: “O que você gosta de fazer? Qual o seu maior medo? E quais são os seus sonhos?”

Com o passar dos dias, vocês começam a se ver todos os finais de semanas e aos poucos se conhecendo, conseguem identificar o que cada um gosta e o que incomoda, e mesmo tendo características parecidas, possuem comportamentos, ações e formas de pensar diferente.

É nessa fase que, ambos pontuam suas percepções um do outro como. “Amor, você percebeu que faz tal coisa” ou “Gosto muito da forma como você faz tal coisa…”

Esse é o momento que você passa a se conhecer através da visão que o outro tem sobre você. E pode até levar um susto, porque talvez nunca tenha se dado conta daquela atitude como uma qualidade ou defeito.

PUBLICIDADE

Por isso, volto a dizer, nós vivemos em uma sociedade “intrometida”, que diz como devemos ser e agir. Desde pequenos atos, como escolher qual brinquedo devemos ter ou como devemos nos comportar.

Aprendemos desde pequenos a naturalizar a opinião do outro e abdicar da nossa. Mas, então o que podemos fazer para mudar?

Nos escutarmos!

Compreender que podemos ter falas ofensivas e que podem atingir a vida de outra pessoa, não devemos nos martirizar, mas perceber que faz parte do processo de construção do indivíduo, que todos nós fazemos isso e tentar reduzir, afinal precisamos ter consciência das nossas falas.

Nesse momento ter empatia pode ajudar a evitar essas atitudes e a compreender nossos comportamentos na relação com outras pessoas.

O próprio processo psicoterápico é um ato de se escutar. Escutar as contradições, o que nos envergonham, que provocam medo e os nossos desejos.

Não é fácil, mas aprender a se escutar, pode te trazer o autoconhecimento dentro e fora da análise e provocara ressignificações e mudanças.

Tire um tempo para se escutar!

Reportar erro

PUBLICIDADE

Escrito por Natalia Menezes

Olá, meu nome é Natália de Menezes Gomes, Psicóloga CRP 06/158371, atuo com atendimento clinico e com projetos na área social. Possuo experiência profissional com a área organizacional, orientação profissional e clínica, com o público infanto-juvenil, adultos e idosos. Tenho um grande amor por ouvir as pessoas e promover um espaço para o desenvolvimento.

Comments

Deixe uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0
Impacto do Coronavírus nos processos seletivos

Impacto do Coronavírus nos processos seletivos

Sexo e sexualidade

Qual a diferença entre sexo e sexualidade?