in

Incerteza: Um gatilho à ansiedade em gestantes na pandemia

Incerteza: Um gatilho à ansiedade em gestantes na pandemia
Mateus Campos by Unsplah

Todos estamos angustiados com a forma que essa pandemia do coronavírus tem nos afetados e a incerteza desse momento é um gatilho à ansiedade em gestantes.

São tantas perguntas, muitas ainda estão sem respostas por se tratar de um vírus novo, em uma nova década.

” Minha mente parece um velocímetro alternando em momentos de picos de altas velocidades e ora momento de extrema lentidão, com o avanço da pandemia, cada dia me sinto mais vulnerável.”

Gestante A. L.

Podemos perceber que estamos mais fragilizadas, por esse motivo é importante entendermos de quais formas essa pandemia pode nos afetar principalmente a nossa saúde mental e emocional.

“Neste momento o foco das nossas atenções não é mais com o tão sonhado encontro, pelo contrário, penso “fique aqui dentro, o tempo que você puder pois, aqui fora você corre perigo, pelo menos neste momento você está parcialmente seguro abrigando dentro de mim”.

Gestante C. S.

Estamos sendo forçados a adotar medidas totalmente divergentes do que somos habituados, colocando o nosso corpo e a mente ao stress.

Nos últimos dias tenho sentindo meu coração acelerado, minha respiração está mais curta, tenho dificuldades para dormir, comecei a roer as minhas unhas.

Gestante L.R.

Diante desse cenário, tenho recebido diversas perguntas:

  • Como darei continuidade ao Pré-natal neste momento?
  • Como será o meu parto?
  • Irei encontrar leitos disponíveis para ter o meu bebê?
  • Eu corro risco de contrair ou transmitir esse vírus para ele e para os meus?
  • E os meus pais que são idosos vão conseguir conhecer o seu neto?
  • Como darei conta de seguir todas as recomendações que são necessárias de isolamento e higiene e ainda cuidar do meu filho?
  • Vou conseguir nutri-lo e sustenta-lo?
  • Como vai ficar a nossa situação financeira com o fantasma do desemprego me assombrando?

“De repente, tudo mudou! nossos sonhos, foram sufocados por um vírus invisível, mas que é sentido por todos nós, até mesmo por aqueles que não foram infectados por ele COVID-19.”

Gestante D. P.

Chamo atenção para alguns aspectos dos relatos acima para situações como essas que estamos vivenciando.

É plausível que as nossas emoções reajam de alguma forma, umas das manifestações mais prováveis é a ansiedade.

É um estado emocional caracterizado por sentimentos de tensão, preocupação e pensamentos ruins, é importante ressaltar que nem sempre a ansiedade é uma doença.

 A ansiedade em seu estado normal é saudável, pois ela o motiva a colocar em andamentos os projetos.

 Porém, diante desta Pandemia Mundial é importante prestar atenção em relação aos excessos desses sentimentos.

Dependendo da frequência e grau de comprometimento ela pode evoluir para um quadro patológico como: transtorno de ansiedade generalizada, transtorno depressivo, transtorno obsessivo compulsivo entre outros.

Muitas pessoas confundem preocupações que são naturais com ansiedade de forma equivocada por serem estados psicológicos muito distintos visto que, a forma que se desdobra em nosso cotidiano é bem diferente.

Quando prestamos atenção no discurso dessa mulher grávida podemos perceber que ela está com medo e este sentimento está interferindo em suas atividades cotidianas.

Pensamentos negativos de apreensão, começamos a identificar sintomas fisiológicos e emocionais que começam a afetar a sua rotina são indicativos importantes.

Levando em consideração que está grávida é muito perigoso esses sentimentos e pensamentos por que podem aumentar as chances hipertensões, diabetes e doenças cardíacas.

Geralmente a intensidade dos sintomas físicos podem variar dependendo do grau e do estado de cada pessoa.

Esses sintomas podem ser tão intensos, muitas vezes as pessoas buscam ajuda médica acreditando estar com problemas no coração ou em algum outro órgão e não estão.

No atual momento as pessoas estão evitando buscar auxílio médico o que aumenta muito o risco e sofrimento emocional a incerteza e o desalento aumentam.

As causas dos transtornos de ansiedade podem ser várias, cada pessoa é única.

Porém, fatores ambientais e emocionais como o que estamos vivenciando nas últimas semanas podem gerar uma preocupação constante a ponto de evoluir de uma ansiedade comum e natural para um quadro mais sério.

Nervosismo, agitação, estado de alerta, “não conseguir pensar em outra coisa”, necessidade de ver e ouvir constantemente informações sobre o coronavírus, dificuldade para realizar tarefas diárias, são indícios que é necessário cuidar da sua saúde mental e emocional.

Entendemos que o momento é delicado principalmente para essas mulheres grávidas que de certa forma se sentem desamparadas com a falta de respostas para muitas perguntas relacionadas a assistência e cuidados voltados neste período COVID-19.

Durante o período gestacional as mulheres passam por diversas alterações em seu organismo e também emocionais:

Naturalmente elas apresentam alterações na imunidade, mas mesmos estando em momento de maior vulnerabilidade os pesquisadores evidenciaram que mulheres grávidas não aparentam ser mais suscetíveis às consequências do COVID-19 que os demais da população.

É importante entendemos que as diretrizes vem sofrendo modificações quase que diariamente.

Fiquem atentos aos comunicados de órgãos oficiais.

No último dia 31 de março saiu uma publicação Royal College of Obstetricians and Gynecologists. “Trusts and Boards” como gerenciar com segurança os serviços de atendimento pré-natal e pós-natal durante a pandemia de coronavírus que podem ser considerados um acalento para todos nós e principalmente para essas mulheres grávidas.

“Em 04 de abril quando estava terminando esse texto saiu uma nova publicação “Pregnant Women may Be Susceptible to complications, Due to COVID-19, Experts say HealthDay”(Mulheres grávidas podem ser sucetíveis a complicações devido ao COVID-19, dizem especialistas HealthDay”.

 A maioria dos relatórios até o momento sugere que há um risco baixo de o coronavírus ser transmitido.

“É preciso mais dados para esclarecer e corroborar esse risco, mas pode haver motivos para se preocupar com a transmissão vertical e condições associadas, incluindo defeitos congênitos, doenças neonatais precoces e outras complicações”, disse Brandt.

Uma mãe infectada passar para o feto, mas existem pesquisas sugerindo que alguns recém-nascidos de mães com COVID-19 têm anticorpos específicos para o coronavírus, sugerindo que foram expostos ao vírus no “útero”.

Compartilho com vocês trecho das diretrizes respondendo em parte as perguntas que deram início a esse tema, a ciência esta incansavelmente buscando evidência para responder as nossas dúvidas.

Como darei continuidade ao Pré-natal neste momento isolamento social?

O cuidado com a maternidade demonstrou ser repetidamente essencial.

Estudos no Reino Unido mostraram que, se as mulheres não comparecem aos serviços pré-natais, elas correm maior risco de morte materna, natimortos e outros resultados perinatais adversos.

Recomendações

Se você estiver grávida, sem sintomas de coronavírus, continue com as consultas pré-natais, como de costume.

Permaneça com as orientações de distanciamento social de manter uma distância de dois metros de outras pessoas e usar o transporte privado, se possível.

Se você tiver sintomas, entre em contato com seu médico e ele trabalhará com você para garantir que você continue recebendo os cuidados e apoiando você e seu bebê.

As orientações sugerem que os serviços de maternidade devem ter como objetivo maximizar o uso de meios remotos para fornecer consultas pré-natais adicionais.

 A consultoria remota permite maior conformidade com as medidas de distanciamento social recomendada para mulheres grávidas e equipe de maternidade.

As clínicas podem ser executadas de forma eficaz usando consultas por telefone ou vídeo, em vez de encontros cara a cara.

Eu corro risco de contrair ou transmitir esse vírus para ele e para os meus?

Contudo, devido às mudanças nos corpos e nos sistemas imunológicos, sabemos que as gestantes podem ser severamente afetadas por algumas infecções respiratórias.

É importante, por isso, que elas tomem precauções para se protegerem contra a COVID-19, e relatarem possíveis sintomas (incluindo febre, tosse ou dificuldades para respirara) para seus provedores de cuidados de saúde.

Segundo o artigo não há evidências ainda de que o coronavírus possa ser transmitido da mãe para o bebê.

“Embora os dados estejam atualmente limitados, é tranquilizador saber que não há evidências de que o vírus possa passar para o bebê durante a gravidez”, escreve Edward Morris, presidente da associação.

Vou conseguir nutri-lo e sustenta-lo?

Não há evidências de que o vírus possa ser transportado pelo leite materno.

Como será o meu parto?

De acordo com artigo atualmente, não existem evidências que favoreçam um modo de nascimento em detrimento de outro.

Portanto, o modo de nascimento deve ser discutido com a mulher, levando em consideração suas preferências, indicações obstétricas de intervenção e quadro clínico da mãe.

O modo de nascimento não deve ser influenciado pela presença de COVID-19, a menos que a condição respiratória da mulher exija um parto urgente.

O uso de banheiras de parto no hospital deve ser evitado em casos suspeitos ou confirmados, dada a incapacidade de usar equipamento de proteção adequado para a equipe de saúde durante o parto na água.

Irei encontrar leitos disponíveis para ter o meu bebê?

Procure entrar em contato com a maternidade se informe esclareça as suas dúvidas, assim você terá as respostas que necessita neste momento.

Os meus pais que são idosos vão conseguir conhecer o seu neto?

Realmente esta pergunta é difícil de ser respondida neste momento, talvez conhecer presencialmente poderá ser adiado temporariamente, mas isso não significa que eles não conheceram seu filho.

Procure usar a tecnologia a seu favor, hoje existem aplicativo que muitas pessoas podem se reunir virtualmente e tenha paciência que o momento seguro irá chegar e todos irão poder desfrutar do contato novamente assim esperamos.

Como darei conta de seguir todas as recomendações que são necessárias de isolamento e higiene e ainda cuidar do meu filho?

Muitas vezes, queremos dar conta de todas as demandas sozinhas, mas quem disse que você precisa dar conta de tudo?

Compartilhe as tarefas com seu parceiro, priorize o que é importante encontrem um caminho juntos e não individualmente.

Como vai ficar a nossa situação financeira com o fantasma do desemprego me assombrando?

Sim esta tem sido a preocupação de todos nós, não sabemos a resposta ainda, mas o certo é que sem a vida não há necessidade de trabalho não é mesmo?

Neste momento tente buscar o significado da vida, a parte econômica é indispensável e necessária.

Mas não é prioritária neste momento, acredito que todos vamos ter que fazer concessões e buscar alternativa que ainda não sabemos como.

Recomendações

Para reduzir o risco de infecção, as mulheres grávidas devem praticar distanciamento social.

Ficar em casa e evitar reuniões públicas. Se precisarem sair de casa, devem lavar as mãos regularmente.

Tentar não tocar no rosto e ficar a pelo menos um metro e oitenta centímetros de distância de pessoas que podem estar doentes ou pessoas cujos status são desconhecidos, aconselhou Brandt.

“Ansiedade meu Ser parado em alta velocidade” 

(Alan Lemax)

Fontes Bibliográficas:

https://www.upi.com/Health_News/2020/04/03/COVID-19-raises-concern-over-range-of-pregnancy-complications/6291585920757/

https://www.unasus.gov.br/noticia/oms-perguntas-e-respostas-sobre-covid-19-gravidez-parto-e-amamentacao

https://www.rcog.org.uk/en/news/antenatal-care-should-be-standardised-to-the-minimum-targets-set-out-in-new-guidance-say-professional-bodies/

https://www.sogesp.com.br/noticias/coronavirus/

https://www.sogesp.com.br/noticias/infeccao-pelo-coronavirus-sars-cov-2-em-obstetricia-enfrentando-o-desconhecido/

https://brasil.elpais.com/smoda/2020-03-14/medo-e-ansiedade-com-a-crise-do-coronavirus-conselhos-dos-psicologos-para-tranquiliza-lo.html

http://www.scielo.br/pdf/reben/v71s5/pt_0034-7167-reben-71-s5-2213.pdf

https://www.spdm.org.br/saude/coronavirus/item/3344-recomendacoes-para-cuidados-e-assistencia-ao-recem-nascido-com-suspeita-ou-diagnostico-de-covid-19

Reportar erro

Escrito por Michelle Correa

Olá, eu sou Michelle Corrêa. Psicóloga CRP 06/70255, Doula, Consultora do sono materno infantil e familiar e Instrutora de Massagem para bebê Shantala. Quero apresentar-lhes um novo conceito de assistência materno infantil, que abrange vocês futuros papais, casais com filhos recém nascido ou crianças até 5 anos,Instituições. Serviços especializados e compromissados com o desenvolvimento infantil.

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0
Freepik

Coronavírus: problemas na convivência familiar entre pais e filhos

Será mesmo vitimismo?

O privilégio de não ser um vitimista numa sociedade racista