in

Como quebrar o ciclo da violência contra a mulher?

Ter cuidado com a educação das crianças é também prevenir a violência contra a mulher?

Como quebrar o ciclo da violência contra a mulher
Pexels

Esse mês comemoramos o Dia Internacional da Mulher e ainda tem muito a ser feito e conscientizado no quesito igualdade de gênero. Mas como quebrar o ciclo da violência contra a mulher?

Enquanto muitas mulheres lutam por melhores salários e condições dignas de emprego, outras milhares ainda lutam para continuarem vivas. 

O isolamento social gerado pela pandemia agravou ainda mais os números de violência contra a mulher, aumentou o número de feminicídio (o Acre foi campeão com aumento de 300%).

A frustação do desemprego, isolamento, ansiedade e depressão aflorou nos agressores a covardia de descontar suas angústias na sua companheira. 

PUBLICIDADE

Mas porque a mulher apanha? Porque ela não sai do relacionamento?

Além da Síndrome de Estocolmo que já descrevi aqui, um fator importantíssimo deve ser levado em consideração: A infância condicionada a aceitar a violência. 

Sempre que uma mulher chega ao meu consultório e relata um relacionamento conturbado de sofrimento e/ou violência física eu pergunto se ela era humilhada na infância.

Em quase cem por cento das vezes a resposta é sim, em raros casos que ela nunca vivenciou violência, o agressor foi quem viu a mãe ser espancada ou humilhada diversas vezes.

Reconhecer a violência que sofreu não significa ter que culpar os pais

E, é muito comum repetirem a história dos pais e ambos terem crescido em um ambiente disfuncional. 

É normal ainda que o amor pelos pais impeça que aquela adulta diante de mim reconheça que o que viveu na infância era uma a violência.

Reconhecer a violência que sofreu não significa necessariamente culpabilizar os pais, e sim entender que a violência (surras, humilhações, abandono, castigos etc.) causaram dores emocionais que ainda sangram. 

“Meu pai me bateu, mas nem por isso eu morri!”

Essa é uma frase recorrente entre os comentários nas redes sociais quando algum profissional da área da educação ou da psicologia recrimina os abusos físicos em forma de punição.

PUBLICIDADE

E é verdade, raramente violência física mata ou deixa sequelas físicas, mas deixa cicatrizes emocionais que muitas vezes voltam a sangrar.

Essa violência causa feridas no psiquismo, prejudicam o desenvolvimento e cedo ou tarde o adulto terá de cuidar delas.

Tratar essas feridas para que você não perpetue o ciclo da violência causando sofrimento aos filhos ou conjugues torna-se imprescindível para um futuro saudável.

Olhando pro meu passado e para os sintomas vejo claramente uma criança com déficit de atenção que foi obrigada com castigos físicos a treinar seu escasso foco.

O passado que se repete

Lembro-me claramente de meu pai com um cinto na mão vindo me bater por ter feito o que não devia, ter falado demais ou principalmente coisas que deixei de fazer.

Não acuso o meu pai, ele realmente acreditava estar correto pois fora educado assim também.

Porém isso me ensinou que é normal sofrer dores de quem diz nos amar.

Ele batia porque aprendeu que “O pai que ama o filho não poupa-lhe a vara”.

Já adianto aqui que esse provérbio bíblico antigo (Provérbios 13:24)  cabe muitas interpretações e a violência contra crianças é apenas a mais nociva delas.

O sentimento que eu sentia na época era contraditório, pois eu amava muito o homem que naquele momento batia em mim, e ele ainda cria fielmente que fazia isso por amor.

PUBLICIDADE

Vivi anos em um relacionamento abusivo, não tinha castigos físicos, mas possuía alguns abusos em forma de proteção e cuidado que jamais aceitaria se não tivesse sido condicionada desde a infância a ver tais comportamentos com normalidade.

O castigo físico pode surtir efeito a curto prazo, a criança ferida deixa de praticar o comportamento, ou inicia um novo mais adequado ao que espera o adulto, porem ao mesmo tempo condiciona uma obediência cega.

Meninas castigadas física e psicologicamente na infância se tornam mulheres vítimas de agressores que muito provavelmente viu a mãe sofrer violência em nome desse amor.

Histórias que se cruzam

Raríssimas vezes pessoas são vítimas/agressores de relacionamento abusivo sem experiência anterior.

Dessa forma proteger as meninas e meninos de castigos físicos, abuso psicológicos e outros é também proteger a mulher adulta em um trabalho de prevenção.  

 Para evitar esse problema em junho de 2014 foi aprovada o Projeto de Lei nº 2.654/2003.

Ele considera que “direito da criança e do adolescente a não serem submetidos a qualquer forma de punição corporal, mediante a adoção de castigos moderados ou imoderados, sob a alegação de quaisquer propósitos, ainda que pedagógicos”.

A aplicabilidade da lei ainda não é tão boa quanto gostaríamos, mas já serve no mínimo de caráter educativo para mostrar o que é certo ou errado para que crianças feridas não se tornem adultos perpetuadores desse ciclo da violência. 

Nesse Mês das Mulheres e a partir de agora, antes de gritar com seu filho ou filha, em público, agredi-la em qualquer momento por qualquer que seja o motivo, pense: eu faria isso a um adulto que porventura errasse comigo?

Porque quem fere a criança fere o adulto que ela se tornará e  quando uma criança é violentada, nasce um adulto acostumado a sofrer ou causar dor e sofrimento. 

Reportar erro

Escrito por Luciana Santos

Psicóloga CRP 06/148444 e Analista Comportamental apaixonada por pessoas e seus comportamentos anseia por levar a conhecimento do grande público uma psicologia simples e prática ajudando as pessoas a resolverem seus problemas diários.

Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0
Atravessamentos do Corpo Negro

Atravessamentos do Corpo Negro

Contar Histórias – acesso ao portal do coração

Contar Histórias – acesso ao portal do coração