Search
Close this search box.

Coronavirus: 7 passos para não surtar durante a pandemia

Veja os cuidados necessários com a saúde mental durante a quarentena da pandemia do Codiv-19
Coronavirus 7 passos para não surtar durante a pandemia

A pandemia do novo Coronavírus trouxe uma realidade que nunca vivemos antes: o isolamento social. Milhares de pessoas estão confinadas com medo, preocupadas em saber por quanto tempo será necessário permanecer assim.

7 passos essenciais de cuidado com a sua saúde mental

Cuidar do nosso estado emocional é fundamental para que possamos lidar com esse cenário com criatividade e resiliência. Veja abaixo 7 passos importantes que tratam mais proteção emocional para esse momento de crise:

Anúncios

1. Cuidado com fake news e excesso de informação

A todo momento surgem enxurradas de informações sobre o coronavírus, mas, passar o dia em frente a tv ou do celular em em busca de notícias pode causar ansiedade ou estresse.

Por isso, escolha uma fonte de informação de sua confiança para atualizar-se buscando proteger você e sua família. O site da Organização Mundial da Saúde (OMS), é uma fonte confiável de notícias do mundo todo.

O Mistério da Saúde lançou recentemente um aplicativo para divulgar informações e dicas que você pode conferir e baixar o app clique aqui.

Também vale a pena escolher fontes respeitadas de informação, como jornais, telejornais que tragam dados das autoridades locais, evitando boatos e a sensação de pânico.

2. Empatia e Cuidado com idosos

O cenário atual nos convoca a desenvolvermos a empatia. Sim, para evitar que o vírus se alastre precisamos nos proteger e proteger as outras pessoas

Geralmente o circulo do idoso é reduzido e “offline”, por isso, é comum eles adorarem sair de casa para socializar.

Nessa condição de isolamento social, os idosos podem se tornar ansiosos, estressados, com raiva, agitados e distanciados durante a quarentena.

Por isso, é preciso ficar atento ao estado emocional das pessoas idosas que convivemos e oferecer a eles apoio por meio de redes familiares ou de agentes de saúde.

Lembre-se: você pode não pertencer ao grupo de risco, mas é um hospedeiro em potencial. Não se esqueça de seguir as orientações de higiene divulgadas pela OMS.

3. Faça atividade física na sua casa

Durante o isolamento, o confinamento dentro de casa pode se tornar angustiante.

Anúncios

Por isso, fazer atividade física além de não reduzir a sua mobilidade, trará vários benefícios físicos e mentais como a liberação da endorfina (substância que combate o estresse, melhora o humor e o sono).

No youtube e em diversos aplicativos para celular tem diversos estilos de exercícios físicos, tipos diferentes de dança entre outros adaptáveis ao espaço doméstico.

Se tiver filhos, que tal resgatar os jogos de tabuleiro, fazer uma atividade física com eles, assistir um filme ou série juntos? Aproveite para criar pequenos momentos de convivência.

4. Peça ajuda

Se você tem alguma doença crônica, síndrome ou faz uso contínuo de medicamentos, verifique a quantidade que você tem e em casa. Se for preciso repor, peça ajuda para vizinhos,amigos, familiares que não estejam dentro do grupo de risco.

Caso você esteja no grupo de risco (acima de 60 anos, tem diabetes e pressão alta ou tem alguma dificuldade respiratória) ou em quarentena, você irá precisar de ajuda também.

Não se intimide, peça ajuda a sua rede de apoio. Ficar isolado, é de extrema importância nesse momento mas você não precisa ficar solitário.

5. Crie uma rotina

Pode parecer estranho, mas criar uma rotina tem um efeito tranquilizador para nosso cérebro, pois, nos sentimos mais calmos quando temos noção do que vai acontecer no dia.

Por isso, crie pequenos blocos de tarefas ou atividades para seguir de acordo com o período do dia para ficar mais fácil. Anote em uma folha de papel ou no bloco de notas do celular, procurando distribuir coisas legais entre as obrigações. Por exemplo:

Manhã: tomar café, assistir uma aula de meditação ou dança, atualizar-me com notícias e escolher uma receita nova para o almoço/ jantar.

Horário de trabalho: estabelecer o período de trabalho com pequenas pausas, sem exceder o período laboral realizado na empresa. Aproveite o tempo que iria gastar no deslocamento até o trabalho para fazer algo que gosta.

Noite: preparar a janta, assistir um filme, série ou show. Fazer uma videoconferência com alguém legal, ler um livro, usar um app de meditação ou ouvir para relaxar; por exemplo.

6. Circulo afetivo

Aproxime-se da sua rede de apoio. Aproveite os meios tecnológicos para papear com os amigos, familiares e se conectar com sua verdadeira rede social. É o momento ideal para cultivarmos apoio, cuidado, respeito e afeto.

7. Fique atento aos seus sentimentos

Toda mudança pode gerar estresse e ansiedade. Se somarmos a isso, isolamento social devido a uma pandemia podemos imaginar o turbilhão de sentimentos e emoções que milhares de pessoas estão vivenciando.

O cuidado com a saúde mental deve ser redobrado. Procure ficar atento ao modo que se sente e caso perceba-se ansioso demais, angustiado demais ou estressado demais procure ajuda profissional, o atendimento online é uma ótima opção.

Cultivar hábitos saudáveis. Cuidar da alimentação, do sono, realizar atividades leves e relaxantes como assistir filmes, séries, ler livros ou realizar atividades manuais, podem ajudar.

Anúncios

Compartilhe esta postagem:

Sobre o autor(a)

Carla Franca

Carla Franca

Co-fundadora da Revista Blahpsi, psicóloga (CRP 06/104180) com atuação na área clínica e social há mais de 10 anos e facilitadora de grupos. Ampla experiência em palestras e formações em diversas instituições.
Anúncios
Últimas notícias

Psicólogo(a)

Torne-se um escritor no BlahPsi e tenha mais visibilidade

Subscribe to My Newsletter

Subscribe to my weekly newsletter. I don’t send any spam email ever!