in

Dia Internacional pela eliminação da Violência contra a Mulher

Ferir uma mulher é ferir a dignidade humana, negar a habilidade de florescer.

Dia Internacional pela eliminação da Violência contra a Mulher
Karolina Grabowska by Pexels

O Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher celebra-se anualmente em 25 de novembro, para denunciar a violência contra as mulheres no mundo todo e exigir políticas em todos os países para sua erradicação.

A convocação foi iniciada pelo movimento feminista latino-americano em 1981 para marcar a data em que foram assassinadas as irmãs Mirabal na República Dominicana.

Em 1999, a Assembleia Geral das Nações Unidas em sua resolução 54/134 assumiu o 17 de dezembro como data para a jornada de reivindicação convidando a governos, organizações internacionais e organizações não governamentais a convocar atividades dirigidas a sensibilizar a opinião pública sobre o problema da violência contra a mulher.

A violência contra mulheres e meninas é pandemia invisível, afirma Phumzile Mlambo-Ngcuka, diretora executiva da ONU Mulheres e vice-secretária geral das Nações Unidas, segundo artigo publicado em 07 de abril de 2020:

“Mesmo antes da existência da Covid-19, a violência doméstica já era uma das maiores violações dos direitos humanos.

Nos 12 meses anteriores, 243 milhões de mulheres e meninas (de 15 a 49 anos) em todo o mundo foram submetidas à violência sexual ou física por um parceiro íntimo.

À medida que a pandemia da Covid-19 continua, é provável que esse número cresça com múltiplos impactos no bem-estar das mulheres, em sua saúde sexual e reprodutiva, em sua saúde mental e em sua capacidade de participar e liderar a recuperação de nossas sociedades e economia.

O aumento dos casos de violência doméstica na pandemia

(…) A Covid-19 está nos testando de maneiras que a maioria de nós nunca experimentou anteriormente, fornecendo choques emocionais e econômicos que estamos lutando para superar.

A violência que está emergindo agora como uma característica sombria dessa pandemia é um espelho e um desafio aos nossos valores, nossa resiliência e humanidade compartilhada.

Devemos não apenas sobreviver ao coronavírus, mas emergir renovadas, com as mulheres como uma força poderosa no centro da recuperação”.

“Violência contra as mulheres e meninas é pandemia invisível”

afirma diretora executiva da ONU Mulheres

Todos os dias mulheres e meninas são violentadas de diversas formas, da mais visível, deixando “marcas” no corpo, até as formas mais sútis, aquelas que deixam “feridas” na alma, no coração e na autoestima.

Ferir uma mulher é ferir a dignidade humana, é negar a habilidade de acolher, doar, amar, nutrir e florescer.

Como é possível que em pleno século XXI, ainda existam crenças e costumes violadores dos direitos das mulheres?

O que isso nos diz sobre a relação humana com o feminino que pulsa em todos os seres humanos?

Qual o papel da educação formal e não formal, das políticas públicas, da econômica, da garantia de direitos humanos, da sociedade civil organizada, de mim e de você nesse cenário desumano?

Que medo é esse de que as mulheres se expressem, digam não, assumam a liderança de suas vidas?

Acredito muito e trabalho todos os dias a crença pessoal de que mulheres e homens são fortes juntos, caminhando lado a lado, ombro a ombro, num compasso harmonioso, como uma dança leve, em que só há beleza na complementariedade.

Não me refiro a “metade da laranja”, pessoalmente, não acredito nisso.

Me refiro a interdependência, ou seja, cada um é um e juntos são fortes para trilhar a jornada de sucesso pessoal, profissional e coletivo.

Feminino e o masculino como aspectos complementares

O poder masculino não pode subjulgar o feminino e vice-versa, quando isso acontece as “feridas” aumentam e toda a sociedade sofre.

Sabedorias ancestrais, de várias culturas, horam o feminino, a mulher, como a representação da natureza em forma humana, a “deusa” que se fez gente, para nos ensinar o sentido profundo de amar, semear, colher, crescer, nascer e morrer.

É hora de reconectar a essência humana aos sagrados feminino e masculino, dentro de nós e depois expressar essa potência nas atitudes e escolhas da vida.

Assumir a responsabilidade em proteger e fortalecer as mulheres que sofrem caladas, as que não tem forças para pedir ajuda, aquelas que estão fragilizadas e acreditam que a culpa da violência sofrida é delas.

Chega de tortura, chega da crença do sexo frágil, chega de abusos físicos, morais, emocionais e financeiros, chega de sentir medo de ser mulher, chega de submissão!

Basta!

“Eu sou aquela mulher
a quem o tempo muito ensinou.
Ensinou a amar a vida
e não desistir da luta,
recomeçar na derrota,
renunciar a palavras
e pensamentos negativos.
Acreditar nos valores humanos
e ser otimista”

Cora Coralina

Reportar erro

Escrito por Anna M. Oliveira

Anna Maria de Oliveira, mais de 25 anos atuando na área educacional, formação de educadores, liderança de equipes e desenvolvimento de projetos. Pedagoga, Especializada em Gestão Escolar, Arte Educadora, Professora, Consultora, Palestrante. Fundadora da Academia Confluência (Escola de desenvolvimento humano para Autogestão).

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0
Mês da Consciência Negra. Sororidade. Dororidade.

Mês da Consciência Negra. Sororidade. Dororidade.

Envelhecimento Como ter uma velhice ativa

Envelhecimento: Como ter uma velhice ativa?