Search
Close this search box.

O que os psicólogos sabem sobre a desordem que você não sabe

Muitas pessoas lutam com a organização porque não têm confiança na sua capacidade de organizar ou deixar as coisas de lado.
O que os psicólogos sabem sobre a desordem que você não sabe

O impacto da aversão à perda

Os psicólogos identificaram a aversão à perda como uma razão comum pela qual as pessoas lutam para se livrar da desordem. A aversão à perda é um viés cognitivo que nos faz preferir evitar perdas a adquirir ganhos equivalentes. Tendemos a sentir mais desprazer em perder algo do que prazer em ganhar algo de igual valor. Esse preconceito pode impactar significativamente nosso processo de tomada de decisão quando se trata de nossos pertences, dificultando a separação de itens que não usamos ou não precisamos. Tememos a perda percebida associada ao ato de nos livrarmos de algo, mesmo que tenha pouco valor prático ou não tenha nenhum propósito em nossas vidas. No entanto, compreender as desvantagens de se apegar à desordem, como o aumento do stress e da sobrecarga, pode ajudar-nos a reformular a nossa percepção do que constitui uma perda.

A falácia do custo irrecuperável

Outro viés cognitivo que afeta nossa capacidade de organizar é a falácia dos custos irrecuperáveis. Esse preconceito nos leva a continuar investindo em algo por causa do que já investimos, mesmo quando não é mais racional ou benéfico. Deixamos que os nossos investimentos ou despesas passados ​​influenciassem as nossas decisões presentes e futuras, mesmo quando cortar as nossas perdas faria mais sentido. Superar a falácia dos custos irrecuperáveis ​​exige uma mudança de mentalidade para se concentrar mais nos resultados futuros e menos nos investimentos passados. Reconhecer que o dinheiro já investido não retornará naturalmente ao mantermos um item pode nos ajudar a tomar melhores decisões sobre organização.

Anúncios

O efeito de doação

Os psicólogos identificaram o efeito dotação como outro viés cognitivo que afeta a nossa tomada de decisão quando se trata de desordem. O efeito dotação refere-se à nossa tendência de atribuir um valor mais elevado às coisas que possuímos apenas porque as possuímos. Nossa percepção do valor de um item costuma ser inflada em comparação com seu valor real, simplesmente porque ele está em nossa posse. Esse preconceito pode tornar difícil abandonar a desordem, pois percebemos os itens como mais valiosos do que realmente são. Compreender esse preconceito pode nos ajudar a reavaliar o verdadeiro valor de nossos pertences e facilitar a organização.

Tornando-se cego para a desordem

Você já percebeu que depois de um tempo você para de ver sua desordem? Esse fenômeno ocorre porque nosso cérebro tem atenção seletiva. O sistema de ativação reticular (RAS) atua como um guardião, filtrando informações e tornando-nos menos conscientes da desordem ao nosso redor ao longo do tempo. Esta cegueira gradual à desordem pode levar à acumulação ainda maior sem estarmos plenamente conscientes disso. Para superar isso, é importante chamar intencionalmente a atenção para o que nos rodeia e tomar medidas para organizar. Tirar fotos ou observar conscientemente a localização dos itens pode nos ajudar a ficar mais conscientes da nossa desordem.

O papel da autoeficácia

Muitas pessoas lutam com a organização porque não têm confiança na sua capacidade de organizar ou deixar as coisas de lado. O psicólogo Albert Bandura introduziu o conceito de autoeficácia, que se refere à nossa crença em nossas próprias habilidades em uma determinada tarefa ou projeto. Nossa autoeficácia impacta profundamente nosso comportamento e sucesso nessa área. O aumento da nossa autoeficácia em relação à organização pode ser alcançado através de várias fontes. O domínio inativo envolve dar pequenos passos e experimentar o sucesso, construindo confiança em nossa capacidade de sermos livres de desordem. As experiências vicárias envolvem aprender com outras pessoas que conseguiram organizar com sucesso, fornecendo inspiração e orientação. A persuasão verbal, como afirmações e incentivos de indivíduos com ideias semelhantes, também pode aumentar a autoeficácia. Por último, a excitação psicológica, mantendo uma mentalidade positiva e otimista, pode aumentar a autoeficácia na organização.

O poder das racionalizações

Nossos cérebros têm uma capacidade notável de racionalizar e justificar nossas ações, inclusive de manter a desordem. Pacientes com cérebro dividido, que tiveram seus hemisférios cerebrais cortados, demonstraram que o lado esquerdo do cérebro, responsável pelo raciocínio e pela racionalização, pode distorcer as informações a seu favor. Isso significa que podemos encontrar explicações racionais sobre por que precisamos nos apegar à desordem, mesmo que essas explicações nem sempre sejam verdadeiras ou precisas. Desafiar essas racionalizações pode nos ajudar a nos libertar da desordem e a tomar decisões mais racionais sobre o que manter e o que abandonar.

Desordem como reflexo da personalidade

Estudos de investigação indicam que os bens que escolhemos manter e a forma como os organizamos podem revelar insights sobre a nossa personalidade, valores e estados emocionais. A desordem pode destacar áreas de luta ou medos, como dificuldade em estabelecer limites ou medo do futuro. Compreender o significado mais profundo por trás da nossa desordem pode ajudar-nos a refletir sobre as nossas prioridades e a resolver quaisquer questões subjacentes que contribuam para a acumulação da desordem.

O impacto do meio ambiente na felicidade

Nosso meio ambiente desempenha um papel significativo em nossa felicidade. Estudos demonstraram que alterar o nosso ambiente, incluindo organizar e criar um espaço mais organizado, pode ter um impacto positivo no nosso bem-estar mental e emocional. Espaços desordenados e desorganizados contribuem para o estresse, a ansiedade e a sensação de opressão. Ao eliminar a desordem e criar um ambiente visualmente agradável e simplificado, podemos experimentar um impacto mais positivo na nossa felicidade e bem-estar geral.

A desordem como um processo cognitivo

A desordem não é apenas uma manifestação física, mas também um produto de nossos pensamentos, emoções e ações. O modelo cognitivo-comportamental, fundamental para a terapia cognitivo-comportamental (TCC), ilustra como nossos pensamentos influenciam nossas emoções, que por sua vez afetam nossos comportamentos e moldam nosso ambiente. Nosso ambiente é uma coleção de caminhos criados por esses processos cognitivos. Ao compreender a ligação entre a nossa mente e a desordem, podemos abordar os factores psicológicos subjacentes que contribuem para a acumulação da desordem e criar um espaço de vida mais organizado e pacífico.

Desafiando distorções de pensamento

Distorções cognitivas, ou distorções de pensamento, podem contribuir para a desordem e dificultar a nossa capacidade de organização. O pensamento dicotômico, a catastrofização, a generalização excessiva e o raciocínio emocional são exemplos de distorções de pensamento que podem se manifestar em relação à desordem. Ao desafiar estas distorções e substituí-las por um pensamento mais racional, podemos libertar-nos da armadilha da desordem e criar um espaço de vida mais organizado e pacífico.

A psicologia da desordem

Compreender a psicologia por trás da desordem fornece informações valiosas sobre a nossa relação com os nossos pertences e o nosso espaço de vida. Ajuda-nos a superar os desafios de desapego e organização. Ao reconhecer preconceitos cognitivos, aumentar a autoeficácia, desafiar as distorções de pensamento e refletir sobre o significado mais profundo por trás da nossa desordem, podemos criar um ambiente mais organizado, simplificado e pacífico.

fonte: https://youtu.be/DoXTMTgYydE

Anúncios

Compartilhe esta postagem:

Sobre o autor(a)

Redacao Blahpsi

Redacao Blahpsi

BlahPsi – Revista digital com temas relacionados ao universo da Psicologia & Saúde
Anúncios
Últimas notícias

Psicólogo(a)

Torne-se um escritor no BlahPsi e tenha mais visibilidade

Subscribe to My Newsletter

Subscribe to my weekly newsletter. I don’t send any spam email ever!