in

Os impactos psicológicos do isolamento social no desenvolvimento infantil

Os impactos psicológicos do isolamento social no desenvolvimento infantil
Freepik

A pandemia vem sendo um marco nas nossas vidas, não é? Quem um dia imaginou que passaríamos por isso? Eu, sem sombra de dúvidas, nunca imaginei.

No ano passado as escolas ficaram fechadas por meses e até o momento que este texto foi escrito, em algumas cidades do país, as escolas funcionam com controle de alunos.

As crianças vem sendo “excluídas” do convívio social, pois não é prudente aglomerar no cenário atual.

Devido a isso, o aprendizado e o desenvolvimento de cada uma delas poderá ser impactado positivamente ou negativamente.

PUBLICIDADE

Ainda não sabemos como será o mundo pós-covid. A única certeza que temos é que vai passar e em breve, poderemos nos reunir em grandes grupos.

Enquanto esse momento não chega, precisamos conversar sobre os impactos do isolamento social no desenvolvimento das crianças e como isso pode atrapalhar o diagnóstico de transtornos do neurodesenvolvimento, como o autismo.

O diagnóstico do Transtorno do Espectro Autista pode ser realizado a partir dos 6 meses de idade, entretanto, os pais buscam ajuda profissional logo após entrarem nas escolas.

É no convívio social que nós nos tornamos ainda mais humanos, é no contato com o outro que crescemos e aprendemos.

Os espaços sociais são fundamentais para o desenvolvimento de qualquer bebê e criança. E quais seriam eles? Escolas, igrejas, parques e qualquer lugar que promova interação social.

O número de nascimentos vem aumentando a cada dia. Várias gestantes deram a luz nesse último ano e seus filhos, muito provavelmente, não viram ninguém além da própria familia.

Já vi casos, antes mesmo da pandemia, de pais que se afastaram do mundo para viver a maternidade/paternidade de forma exclusiva por um ou dois anos.

A filha deles só tinham o convívio com os mesmos e quando começou a frequentar eventos só sabia chorar, afinal, não sabia se comportar naquele contexto.

O mesmo pode acontecer em cenários mais drásticos como casos de seres humanos que são criados por bichos. Sim, isso acontece! É raro, mas acontece. Vamos conhecer cada um dos casos?

PUBLICIDADE

O primeiro caso que temos conhecimento foi um menino criado por um urso marrom, encontrado em 1663 nas florestas da Lituânia. Não temos muitas informações a respeito, pois é uma história antiga.

Também houve o caso de uma menina no Texas (EUA) que foi criada por lobos e chegou a ser resgatada por um xerife, mas o atacou para fugir.

A última notícia que se teve foi de que ela chegou a ser vista aos 17 anos, uivando com os membros de sua matilha.

No Chile, em 1948, tivemos um garoto de 12 anos chamado de Vicente Caucau que convivia com um  puma nas montanhas.

Pouco se sabe sobre o menino, mas tivemos uma outra história relatada com detalhes: as irmãs Amala e Kamala.

Ambas foram encontradas na Índia pelo reverendo Singh. Chegaram a ser abrigadas num orfanato, mas os funcionários repararam que possuíam alguns hábitos incomuns: andavam sob as mãos, pés joelhos e cotovelos; não falavam, uivavam e trocavam o dia pela noite.

Ao tentarem se aproximar das meninas, reagiam como sabiam: como filhote de lobo.

O processo para tentar reintegrá-las na sociedade foi longo e difícil. Afinal, não possuíam hábitos humanos, apesar de que na aparência era nítido que eram Homo Sapiens Sapiens.

Desenvolveram depressão profunda, pois viviam isoladas numa caverna se alimentando de animais crus e em decomposição.

Não precisavam de roupas, não tinham pessoas querendo as humanizar. A vida no orfanato era totalmente diferente e esquisita para as garotas. Amala tinha apenas 1 ano e meio e faleceu com 2 anos. Kamala, tinha 8 anos e viveu por mais 9 anos.

PUBLICIDADE

Existem casos mais recentes? Sim, como o da Oxana Malaia que nasceu em 1983 na Ucrânia e precisou se abrigar entre os cães da residência, pois seus pais a deixavam sozinha dos 3 aos 8 anos.

Criou um vínculo tão grande com os cachorros que quando as autoridades foram resgatá-la, a matilha os expulsou.

Em 2008 mais um caso foi relatado em Volgogrado na Rússia, Vania Yudin, um garoto de 7 anos foi encontrado por assistentes sociais no meio de pássaros.

Ele e a mãe viviam num apartamento bem pequeno que era cercado de poleiros, alpiste e gaiolas. Quando a matriarca saía para trabalhar, quem cuidava da criança eram os passarinhos.

Yudin não sabia falar, apenas emitia sons. Se notava que não entendiam o que dizia, balançava os braços da mesma forma que os seus cuidadores faziam com as asas.

Eu não sei se você acreditava que esses casos como do Mogli e do Tarzan não existiam. Também pensava assim, até me deparar com essa realidade na faculdade psicologia.

Apesar de nascermos humanos, não o somos, até que alguém nos ensine a ser. Precisamos dos vínculos afetivos com seres da nossa espécie e necessitamos de convívio social.

Pessoas precisam de pessoas.

Sabe o livro do Pequeno Principe? Não sei se vocês já leram, mas naquela história de Saint Exupery cada pessoa vivia num planeta sozinho.

Mas como o nosso protagonista era uma criança curiosa, quis viajar pelo espaço e conhecer novas pessoas para nos mostrar que não adianta ser príncipe de um reino vazio.

Refletindo sobre tudo isso, me dei conta do quanto esse isolamento social irá impactar a nossa vida daqui pra frente, principalmente as crianças com atrasos no desenvolvimento.

No caso do autismo, por exemplo, algumas características que possibilitam o diagnóstico só aparecem no contato interpessoal.

Eles precisam interagir com crianças da mesma idade para sabermos se algo atípico acontece ali ou até no caso dos já diagnosticados, faz parte do tratamento conviver em sociedade.

Só nos resta esperar e torcer para que a vacina chegue e possamos correr atrás do tempo perdido dos nossos pequenos. Uma coisa te garanto: Vai Ficar Tudo Bem!

Reportar erro

Escrito por Carolina M. Machado

Psicóloga CRP 06/138552, pós graduada em Transtorno do Espectro Autista. Ama estudar assuntos voltados a Transtornos Globais do Desenvolvimento.

Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0
Cyberbullying: vamos conversar sobre isso?

Cyberbullying: vamos conversar sobre isso?

ELIZE MATSUNAGA: QUESTIONAMENTOS DO CRIME

Elize Matsunaga: Questionamentos sobre o crime