in

TEA: Quem são essas crianças que nos mostram um mundo tão diferente?

Conheça mais sobre novas terapias para o TEA
Pixabay

No momento em que esses familiares percebem que o curso progressivo do desenvolvimento desta criança com Transtorno do Espectro Autista, esta diferente, para mais ou para menos.

No núcleo familiar há expectativas e sonhos depositados, em todo novo membro familiar que chega.

Em todas as etapas de desenvolvimento desse individuo, há alegrias e frustrações que confrontam essas expectativas na relação dele como filho para seus pais, neto para seus avós, sobrinho para os tios, primo, irmão e muitos outros papéis que possam haver.

Ou seja, fora de um padrão de normalidade e em desacordo com o histórico familiar esperado, há um movimento de busca de informações e possíveis diagnósticos.

PUBLICIDADE

Família & diagnóstico

Quando um diagnóstico é apresentado com informações de que o conjunto de sinais observados naquele novo membro familiar, é caracterizado por uma síndrome patológica.

Ou seja, há uma necessidade especial para este individuo, acontece um luto familiar das expectativas, que até então estavam vivas sobre aquela criança, adolescente ou adulto (em fases mais tardias de diagnóstico).

O grupo familiar, que é o primeiro grupo de convivência de uma pessoa, a partir de um diagnóstico de necessidades especiais, busca explicações e alternativas para aprender a lidar com a situação.

E a partir daí, buscam estimular a criança e integrá-la da melhor forma possível, em um processo de aprendizagem cognitiva, aprendizagem do convívio social e da funcionalidade adequada das suas emoções e atitudes.

Quando o diagnóstico é de um Transtorno do Espectro Autista é necessário entender o que acontece e como podemos nos relacionar com uma pessoa que sente, pensa e age de forma diferente de um padrão esperado.

Para melhor entendermos quais são os padrões esperados de funcionalidade e desenvolvimento neuronal se faz necessário algumas informações que a ciência nos disponibiliza.

Transtorno do Espectro Autista e a neurociência

O cérebro é formado por uma gama de neurônios (células nervosas) que passam a se conectar, através de correntes elétricas, acionadas pelas experiências vivenciadas e estímulos que somos expostos.

O cérebro em sua formação humana tem o seu designer cerebral único e herdado (embriogênese) e assim é para todas as pessoas independente se suas necessidades especificas.

Antes acreditava-se que de forma geral, para todas as pessoas as conexões se formavam progressivamente do nascimento até os 5 anos de idade e haviam mais algumas poucas conexões que se estabeleciam posteriormente na adolescência até os 25 anos de idade.

PUBLICIDADE

Mas descobriu-se que a neuroplasticidade acontece também na vida adulta, novas conexões podem ser iniciadas por novas experiências vividas.

Desde o nascimento e até para alguns estudos, desde a vida intra-uterina e por todo longo da nossa vida, formando assim estruturas e ligações entre os neurônios, chamadas de sinapses.

As sinapses são estruturas extremamente complexas que se modificam de acordo com a exposição ao ambiente e de acordo com os relacionamentos que o ser humano constrói com outro ser humano.

A partir de então, o cérebro vai armazenando esses dados, para que seja construído o que somos, alguns mais e outros menos sensíveis aos estímulos, de acordo com a intensidade das experiências vividas.

A neuroplasticidade é a base essencial do aprendizado, da memória e da capacidade social e emocional do individuo. As sinapses entre os neurônios são a alma do cérebro.

Mas descobriu-se que a neuroplasticidade acontece também na vida adulta e novas conexões podem ser iniciadas por novas experiências vividas.

No caso dos indivíduos com diagnóstico do Transtorno de Espectro Autista há alterações ocorridas nas sinapses na fase de desenvolvimento embrionário.

E também posteriormente, de acordo com os estímulos que aquela criança é  submetida, ha alterações na arquitetura dos circuitos, que ligam os bilhões de neurônios envolvidos na linguagem e nas interações sociais.

O Transtorno de Espectro Autista

Segundo o Professor, médico e psiquiatra, Dr. Marcos Tomanik Mercadante (1960-2011), o Transtorno de Espectro Autista se caracteriza por uma ineficiência das conexões de longa distancia, mais observadas nos estímulos relacionais, podendo ser esses os gatilhos para os déficits cognitivos e sociais, outra característica.

Também, é uma hiperconectividade de determinadas regiões, podendo ser essa outra explicação dos talentos e habilidades exacerbados, que também observamos nos Autistas.

PUBLICIDADE

Dr. Michael Merzenich, Phd Posit Science e Neurocientista foi pioneiro na descoberta da neuroplasticidade, ele descobriu que era possível modificar uma conexão, mesmo em indivíduos adultos, com um esforço um pouco maior do que para uma criança.

Novos aprendizados e estrategias para uma criança e adultos

Ha a obtenção de novos aprendizados e estrategias para uma criança e também para um adulto se bem estimulados e respeitando a individualidade de qual caminho é mais produtivo para o processo de adquirir novo conhecimento ou habilidade.

Para adultos que iniciam um novo aprendizado, é necessário perceber primeiramente qual a melhor estratégia para se transmitir o que se quer ensinar, se por caminhos mais visuais, por estímulos sensoriais ou pelo ouvir.

Assim também é para o individuo autista, os caminhos de aprendizagem precisam ser elaborados de forma diferente e unica ao que precisa aquela criança, adolescente ou adulto com necessidade especifica para o aprender e se integrar.

Partindo da ideia de estimulação para pessoas autistas existem muitas metodologias e contando com a existência da neuroplasticidade cerebral.

Deve-se levar em consideração primeiramente a escolha do método a ser utilizado e o objetivo de conseguir para aquela pessoa uma melhor adaptação e comunicação no meio a qual ela vive.

Qual o melhor tratamento para o Transtorno de Espectro Autista ?

Eu conheço terapias muito eficientes, como o método ABA ou o método dos PEC’s que tem maior foco na comunicação do paciente e obtenção de conhecimento intelectual.

Sou terapeuta do Método de Reorganização Neurofuncional Padovan voltado a estimulação oral e corporal de exercícios passivos e repetitivos.

A cada sessão, esse método pode ser aplicado a qualquer etapa da vida, desde neonatos até a terceira idade, para alcançar a melhor qualidade de vida e desenvolvimento do andar, pensar e sentir para aquele individuo.

Havendo também muitos outros tratamentos no universo das terapias, inclusive medicamentoso alopático e homeopático, ou ainda isoterápico, nutricional e genético.

E qual tratamento escolher para uma melhoria da qualidade cognitiva e da capacidade de relacionamento interpessoal e intrapessoal do individuo autista?

É uma resposta muito exclusiva a cada grupo familiar e depende da intensidade das necessidades daquele individuo.

Mas certamente, devido aos avanços da área de saúde, vivemos em um momento de mais esperança e menos sofrimento, para a vida das pessoas portadora do Transtorno de Espectro Autista e seus familiares.

Reportar erro

Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0
Psicodrama: Uma breve introdução

Psicodrama: Uma breve introdução

Avaliação psicológica nos processos de alienação parental (2)

Avaliação psicológica nos processos de alienação parental