in

Qual a diferença entre sexo e sexualidade?

Sexo e sexualidade
Pixabay

Falar de sexo nas rodas de amigos, no momento de algum filme, novela, e nos momentos de descontração tem se tornado algo possível de fazer nos dias atuais.

Porém, falar da própria sexualidade muitas vezes ainda é uma tarefa difícil.

Muitas pessoas ainda acham que ao falar de sexualidade estamos falando diretamente do sexo, mas é importante ressaltar que existe diferença entre os significados dos termos.

Sexo refere-se à definição dos órgãos genitais, masculino ou feminino, podendo ser compreendido também como a definição do ato sexual, enquanto que o conceito de sexualidade está diretamente relacionado a tudo aquilo que somos capazes de sentir e expressar.

PUBLICIDADE

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, o conceito de sexualidade é definido da seguinte forma:

“A sexualidade faz parte da personalidade de cada um, é uma necessidade básica e um aspecto do ser humano que não pode ser separado de outros aspectos da vida. Sexualidade não é sinônimo de coito (relação sexual) e não se limita à ocorrência ou não de orgasmo. Sexualidade é muito mais que isso, é a energia que motiva a encontrar o amor, contato e intimidade e se expressa na forma de sentir, nos movimentos das pessoas, e como estas tocam e são tocadas. A sexualidade influencia pensamentos, sentimentos, ações, e interações e, portanto, a saúde física e mental. Se saúde é um direito humano fundamental, a saúde sexual também deveria ser considerada um direito humano básico.”

(WHO TECHNICAL REPORTS SERIES,1975)

É necessário compreender também que tudo o que sentimos e vivemos acontece no nosso corpo, sendo impossível separar a sexualidade do corpo ou pensar no corpo sem considerar a sexualidade.

Infelizmente abordar temas da sexualidade no âmbito familiar, nas escolas, e instituições que cercam o desenvolvimento humano, ainda tem sido um assunto delicado, de debates polêmicos e acalorados.

Essa dificuldade encontrada, contudo, não se restringe às pessoas comuns, boa parte de profissionais da saúde, não estão preparados e não se sentem à vontade para abordar questões relacionadas a sexo e a sexualidade humana.

Estudos demonstram que crenças distorcidas e mitos sobre o que seria um padrão de funcionamento sexual “normal” são de extrema relevância para o surgimento dos estudos das causas das disfunções sexuais.

Para que o assunto da sexualidade seja abordado pelo profissional é necessário que tenha conhecimento do tema, esteja atento à maneira como as pessoas pensam sobre o assunto, e permitir que ele seja abordado no seu próprio ritmo.

É essencial também que o profissional saiba acolher os sentimentos, e os comportamentos singulares dos ouvintes para adquirir confiança, segurança e leveza quando conversam sobre o assunto.

Vale ressaltar de modo geral que, algumas pessoas sexualmente disfuncionais, apresentam dificuldades em habilidades sociais e de comunicação principalmente quando o assunto está relacionado à sexualidade e própria vida sexual.

PUBLICIDADE

Nestes casos é interessante procurar melhorar a comunicação, utilizar estratégias específicas voltadas para o estabelecimento de diálogos construtivos e aquisição de conhecimento sobre o assunto.

Estimular leituras, conversa entre casais, amigos, alguém de confiança, a busca de informações, descobertas e compartilhamentos das preferências sexuais tem sido uma excelente estratégia para lidar com a dificuldade de falar sobre sexo e sexualidade.

Desta forma é possível adquirir maior confiança em expressar as necessidades, aprender lidar com conflitos e desenvolver flexibilidades e habilidades sexuais próprias.

É extremamente importante destacar que a desinformação sobre a sexualidade normal pode favorecer o surgimento e o desenvolvimento de transtornos sexuais, se estiver acompanhada de outros fatores determinantes e desencadeantes.

Fazendo-se clara a necessidade de diálogos e reflexões sobre alguns conceitos.

A educação sexual deve ter como objetivo primordial orientar a melhor maneira de se obter uma vida sexual saudável com enfoque no crescimento e no desenvolvimento humano.

Para adquirirmos maturidade suficiente, e assim, fazermos escolhas, assumindo responsabilidades para viver naturalmente a sexualidade.

Reportar erro

PUBLICIDADE

Escrito por Gabriela Medina

Olá, é um prazer ter você! Meu nome é Gabriela, sou Psicóloga CRP 12/16811, apaixonada pela profissão e o meu objetivo neste espaço é informar, esclarecer temáticas pertinentes e relevantes a respeito de relacionamentos, de saúde mental, emocional e psicológica, além de ajudar a melhorar a compreensão sobre sobre você, seus sentimentos e emoções para que tenha melhor qualidade de vida.

Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0
Você tem se escutado?

Autoconhecimento: Você tem se escutado?

Freepik

Coronavírus: problemas na convivência familiar entre pais e filhos