in

Uma campanha, um transgênero e uma polêmica

Uma campanha_um transgênero e uma polêmica
Reprodução/Instagram

Um furacão invadiu e polarizou as redes sociais nessa semana, um furacão com nome de mulher e pose e aparência de homem: Thammy Miranda, ator transgênero.

Em todas as redes sociais o assunto do momento é Thammy. Milhões o criticam e milhares o defendiam.

Até religiosos e famosos participaram do ataque ou da defesa.

A indignação, piadas e/ou ataques diversos se deu porque Thammy anunciou em suas redes sociais que participaria da Campanha de Dia dos Pais, representando uma empresa de cosméticos.

PUBLICIDADE

Os internautas nem pararam para raciocinar o que isso significava e já imaginaram que a empresa estava “homenageando uma mulher como se ela fosse pai”.

Um homem trans pode ser homenageado no “Dia dos Pais”?

Na verdade o que aconteceu é que o ator foi convidado juntamente a outros influencers a divulgar a marca em suas redes sociais, apenas isso.

Mas o boom foi tão grande que o nome da empresa foi um dos mais citados na internet e suas ações na bolsa de valores subiram exponencialmente em plena pandemia e isolamento social.

A internet polarizada tinha dois lados:

De um lado quem o defendia com o argumento de que, o que importa é ele e o filho são felizes; apoiando a empresa por representar a diversidade.

Do outro os mais radicais e conservadores com discursos inflados conclamaram um boicote aos produtos da empresa com o discurso dela estar homenageando “uma mulher” como pai do ano.

Mas quem é Thammy Miranda? Ele é filho de Gretchen, cantora brasileira conhecida como a “Rainha do Rebolado”.

Durante os primeiros anos da adolescência Thammy seguiu os passos da mãe na dança sensual e super feminina.

Antes de se perceber como pessoa transexual, ainda como mulher acompanhou a mãe como bailarina e posou para a revista dedicada ao público masculino.

PUBLICIDADE

Em 2006 se percebeu lésbica, cortou os longos cabelos, começou a se apresentar de forma masculinizada.

E no ano de 2014 assumiu sua identidade de gênero, se tornou então “O” Thammy, e, por escolha própria não quis mudar o nome.

Já em janeiro desse ano, nasce o filho de Thammy com sua esposa Andressa, fruto de uma inseminação artificial entre espermatozóide de um doador anônimo e o óvulo de Andressa.

O que é ser pai?

Desde a gravidez da esposa, Thammy tem se mostrado um pai orgulhoso, amoroso e bastante participativo.

A figura de pai ainda é muito deficitária para milhões de brasileiros, 5,5 milhões de criança não tem se quer o nome do pai na certidão de nascimento.

Se tornou normal notícias de pais que espancam e/ou matam as esposas na frente dos filhos.

Há pais que não pagam a pensão ou pagam 30% de um salário mínimo (e acham que está sustentando com esse valor irrisório a mãe da criança) outros milhões de filhos abandonados afetivamente etc.

Com esse cenário dá pra entender tanto ódio dirigido ao ator e não é pelo fato de ser transgênero.

É pela ousadia, mesmo com um país transfóbico apontando o dedo e fazendo piada Thammy não desistiu.

Ele não é um fraco (e como os transfóbicos de plantão adoram evidenciar o tempo todo), ele nasceu mulher, ainda assim se deu excelentemente bem nos dois papeis, e é feliz!

PUBLICIDADE

Para uma sociedade machista ver um transexual entregue as drogas, prostituição, mendigando é até uma forma de consolo.

Dessa forma, a transfobia é saciada por um sentimento de vingança de que ele escolheu o caminho do mal e foi punido por isso.

Mas Thammy não (que disparate!) Vê-lo feliz, e atuando com competência seu papel de pai, de homem, dói e ameaça a masculinidade frágil de muitos.

O ator transgênero usurpa o lugar de macho insubstituível, e ele fez isso com testosterona sintética, cirurgias reparadoras.

E, ainda não precisou do troféu máster ostentado pelos machista: o órgão sexual masculino.

Ou seja, tudo o que os machistas consideram especial pode ser fabricado e isso é ameaçador!

Para combater isso a masculinidade tóxica fará o possível e o impossível para desacredita-la, depositando no Thammy todo seu ódio, frustração e transfobia.

Indicação de leitura

Reportar erro

Escrito por Luciana Santos

Psicóloga CRP 06/148444 e Analista Comportamental apaixonada por pessoas e seus comportamentos anseia por levar a conhecimento do grande público uma psicologia simples e prática ajudando as pessoas a resolverem seus problemas diários.

Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0
A adoção de netos pelos avós

Adoção: Avós podem adotar os netos?

FILME: AS PONTES DE MADISON

As pontes de Madison: manifestações afetivas importam?