in

Racismo: É difícil, mas temos que reagir

Racismo: É difícil mas temos que reagir
Marco Allasio by Pexels

Para nós negros, o racismo é posto diariamente de forma intimidadora e desumana.

Podemos citar exemplos pessoais, quando acontece conosco, amigos e parentes.

Agressões as quais reagimos na medida do possível, comentando entre nós, nos revoltando e aprendendo uns com os outros.

Formas de reagir para que nossa autoestima não se destrua em detrimento de um tratamento extremamente doloroso e cruel.

PUBLICIDADE

Diariamente constatamos através de todas as mídias existentes fatos que confirmam a existência desse comportamento instituído.

O racismo está inserido em nossa cultura desde sempre, basta olhar para a forma como aprendemos história nos primeiros anos de nossa formação escolar.

O negro é apresentado como “escravo”, indivíduo menos inteligente, desumanizado.

Razões suficientes para justificar a condição de subjugado e escravizado.

Em nossos livros escolares, principalmente quando crianças e adolescentes, a história é contada de forma a entendermos que ao negro não cabe nenhum destaque.

Somos deslocados da realidade de como os fatos se deram e colocados no lugar de intérpretes secundários de personagens menos importantes em uma grande peça que é a história do Brasil.

O registro da existência do quilombo de Palmares é 1597.

Não me lembro de ter aprendido no colégio a importância política da existência dessas comunidades localizadas e organizadas estrategicamente.

Conhecimento essencial para superarmos injustiças centenárias as quais toda a população negra tem sido submetida há séculos, desde quando o primeiro navio com pessoas escravizadas veio da África.

PUBLICIDADE

No momento em que a história é contada sobre outro prisma, somos fortalecidos e encorajados a reagir a tantas situações de discriminação pelas quais passamos.

Quando temos que responder a imposição do racismo sabendo dos fatos, como eles se deram verdadeiramente e, também, que dispomos de elementos e mecanismos legais para esse enfrentamento, sentimo-nos fortalecidos, encorajados a reagir.

Em busca de direitos

Em 03 de julho de 1951, o Congresso Brasileiro aprovou a lei 1390, onde discriminação racial passava a ser contravenção.

Essa lei ficou conhecida por lei Afonso Arinos. Entretanto, não teve eficiência em sua prática pois não previa condenação.

Em 20 de dezembro de 1985, a Lei Afonso Arinos recebe uma nova redação, onde são incluídos entre as contravenções penais, a prática de atos resultantes de preconceito de raça, cor, sexo ou estado civil.

Entrando em vigor a Lei 7346, apelidada de Lei Caó, por conta do nome de seu autor o deputado Carlos Alberto Caó de Oliveira, advogado e militante do movimento negro, autor da nova redação.

Essa lei passa por alterações em 05 de janeiro de 1989 – Lei 7716, onde fica determinada a pena de reclusão por atos de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional.

Com a sanção, fica regulamentado o trecho da Constituição Federal que torna inafiançável e imprescritível o crime de racismo, após dizer que todos são iguais sem discriminação de qualquer natureza. Muito bem!

Temos uma lei que prevê prisão e imprescritibilidade do crime e ao contrário de anos atrás já conseguimos pesquisar e acessar literatura, em grande parte produzida por intelectuais negros brasileiros e estrangeiros, que nos conecta a nossa história e ajuda na dura tarefa de reação.

Os efeitos do racismo na saúde mental da população negra

Eu, como psicóloga, negra, especialista das questões étnico-raciais recebo para psicoterapia, várias pessoas que estão deprimidas, com baixa autoestima, desmotivadas por incomodo sofrimento muitas vezes difícil de nomear.

PUBLICIDADE

Esse estado de animo ou já vem relatado pela pessoa, ou aparece durante o processo psicoterapêutico.

É trabalhoso para o paciente e para o terapeuta localizar e compreender esses processos e buscar vias que possibilitem alteração desse estado emocional.

Isso porque o racismo também nos é impingido subliminarmente.

Todo dia enfrentamos situações racistas e de discriminação.

Recentemente passei por uma situação de racismo que me atravessou de forma visceral. Não foi a primeira vez nem a ultima bem sei.

A circunstância me pegou “desarmada”. Nunca imaginei que situação semelhante pudesse acontecer.

Entendendo que tratava com pessoa esclarecida no melhor sentido possível do termo. Reflito: sou uma pessoa que sabe “brigar” contra o racismo, sei me defender.

Mas dessa vez, na hora, não consegui. Isso acontece a muitos de nós.

Entendo que ofensas racistas, que surjam de várias formas, em diversas situações, frequentemente, nos impedem a reação, nos paralisando.

Relaciono algumas que agora me ocorrem:

  • Pedir que entremos pela entrada de serviço (muito comum), fácil de identificar;
  • Nos confundirem com o vendedor ou empregado do estabelecimento;
  • Segurança nos seguindo dentro da loja, supermercados, farmácia;
  • O vizinho que não nos conhece, acreditar que somos empregados do condomínio (por que será?);
  • A pessoa não subir conosco no mesmo elevador (tive um vizinho que não entrava no mesmo elevador, se minha família estivesse);


Menciono esses exemplos, entretanto poderia escrever no mínimo mais umas três laudas relacionando esses momentos cotidianos comuns para nós negros.

Porém, há situações muito mais difíceis, dolorosas. São aquelas quando não podemos responder na hora.

O “soco no estômago” que emudece e deixa marcas

Ficamos travados pelo absurdo que nos é imposto, tão grande que não o percebemos. Acontece.

Como outro exemplo cito o caso da pessoa que era a única negra em uma festa.

Conhecida de todos que ali estavam, quando chega um homem branco que não a conhecia e pergunta se ela era a pessoa que ia sambar.

Isso equivale a um soco no estômago! Perdemos o fôlego e não conseguimos respirar quando apertam os nossos pescoços.

Também, quando de todas as formas “veladas” possíveis a pessoa nos comunica que aquele não é o nosso lugar. Que não podemos ocupa-lo.

Que embora tenhamos formação, conhecimento, situação financeira etc… não nos querem naquele lugar.

Quando é negado a uma mulher tratamento médico adequado, indicado para diminuição de dor e sofrimento, pelo fato dela ser negra.

Fato que parte de uma crença racista e popular que a mulher negra possui mais resistência a dor. Ou, ainda, quando uma pessoa é assassinada somente pela cor da sua pele.

Quando, ficamos sabendo, que uma juíza em Curitiba citou por três vezes durante uma sentença a raça do réu que é negro. Uma juíza!

Sou uma mulher negra, que fui educada com orientação para reconhecer e me defender da discriminação racial, mas fazer isso sempre foi muito difícil.

Embora tenhamos há quase 70 anos, tentativas de estabelecer legislação efetiva que auxilie na construção da justiça com relação a essa importantíssima questão, a lei não é cumprida rigorosamente.

Injúria racial x Racismo

A maioria das vezes uma queixa dada em uma delegacia com pedido que conste no boletim de ocorrência racismo, acaba sendo registrada como injuria racial, suavizando dessa forma punição justa e exemplar.

Viver em uma sociedade racista como a nossa traz danos sérios a saúde mental da população negra.

Essa condição atinge as classes mais baixas, onde esta inserida a maioria da população negra, embora afete também ao negro que tem situação financeira, escolar e intelectual melhor.

Os transtornos mentais são mais frequentes na população negra que na branca com destaque para psicose e transtorno mental comum (CMD) (SMOLEN; ARAÚJO, 2017; COOPER et al, 2008, NELSON, 2006; KARLSEN et al, 2005).

Geralmente, quando chegam aos serviços de saúde, recebem diagnósticos de maior gravidade e com comorbidades.

É muito difícil que uma pessoa negra que chega a um médico com sintomas de depressão.

Seja em um atendimento público mais popular ou em uma clínica particular mais elitizada, passe por uma entrevista focada na investigação de seu estado emocional onde seja considerado o sofrimento por discriminação ou racismo.

Normalmente os médicos podem receitar antidepressivos, conversar um pouco com o indivíduo, considerar a possibilidade de adicção ou luto. Somente isso.

Além do equilíbrio emocional afetado, poderá ocorrer insuficiência renal, falência renal, hipertensão, às pessoas que passam pelo estresse de conviver com a discriminação racial.

Destacando-se ainda a condição da mulher que além do racismo, sofre machismo e sexismo.

Todos devemos nos movimentar para combater racismo e a consequente desigualdade social.

A transformação começa na educação

Devemos começar incluindo efetivamente nas grades curriculares o ensino real da história do Brasil, com políticas de produção de livros escolares com conteúdos coerentes ao que realmente aconteceu, como por exemplo contando a verdadeira história da escravização.

Temos a lei 10.639 que estabelece a obrigatoriedade do ensino de história e cultura afro-brasileira dentro das disciplinas que fazem parte das grades curriculares dos ensinos fundamental e médio.

Precisamos formar educadores e professores envolvidos com essa construção e com a educação da população em geral, ajudando a promover a inserção do negro em todos os setores de desenvolvimento uma vez que constituímos mais de cinquenta por cento da população brasileira.

Às universidades cabe inserir a discussão e o aprendizado do que é racismo, como ele pode ser compreendido e tratado na clínica.

Contribuindo com a formação de psicólogos atentos e capacitados a entender demanda de sofrimento por racismo, habilitados a escutar, acolher e tratar esse trauma que inúmeras vezes é de uma vida toda.

O setting terapêutico é o ambiente apropriado para o tratamento das doenças emocionais.

É essencial que haja o reconhecimento do sofrimento do paciente causado por exposição ao racismo.

Esse paciente poderá superar toda a dificuldade e adoecimento, auxiliado por um psicólogo que teve aprendizado acadêmico sobre os impactos do racismo.

No exercício de sua profissão, empatia trará maior condições de ajudá-lo. Deste modo o caminho para a cura será traçado e percorrido saudavelmente.

Reportar erro

Escrito por Eneida de Paula

Psicóloga Clínica CRP 06/135390 com especialização em Psicologia e Relações Raciais pelo AMMA Psique e Negritude. Interesse pelas relações raciais e como o sofrimento apresentado em consequência do racismo atravessa o indivíduo e o afeta somaticamente, e na necessidade de haver, por parte do profissional psicólogo empatia e recursos para atender essa demanda.

Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0
Exaustão emocional Consequência de se manter forte por muito tempo

Exaustão emocional: Consequência de se manter forte por muito tempo

Papéis maternos e paternos filme KRAMER x KRAMER (1)

Separação conjugal, papéis maternos e paternos