in

Escola em época de pandemia: Mudanças e desafios na aprendizagem

Os professores e equipes gestoras lutam para que o aprendizado seja efetivo.

Escola em época de pandemia
August de Richelieu by Pexels

Em março de 2020 as escolas da cidade onde moro (e também do restante do país) recebiam o comunicado de que as aulas presenciais seriam suspensas devido à pandemia do novo corona vírus (COVID-19).

Essa doença que teve seus primeiros registros no continente asiático, mas que se espalhou rapidamente para outras áreas do globo.

Com isso, o processo pedagógico precisou ser repensado às pressas, pois ninguém estava preparado para um modelo à distância nos ensinos infantil, fundamental e médio.

Até mesmo para o ensino superior as alterações não foram tão fáceis.

PUBLICIDADE

Na realidade, as unidades de ensino nunca pararam: pelo contrário, num ritmo frenético os funcionários da educação precisaram repensar táticas para atender a clientela.

De modo que os estudantes tivessem acesso aos conteúdos, pudessem realizar as atividades, acompanhar a explicação dos professores e com tudo isso construir conhecimento.

Obviamente, o processo precisou contar com a busca por ferramentas pelos educadores, que investigaram, testaram, também aprendendo a dominar os recursos da tecnologia que muitas vezes anteriormente nunca tiveram familiaridade.

Adaptar textos e exercícios, procurar links de vídeos e assisti-los horas e horas para escolher os mais viáveis para o propósito, gravar e editar aulas, usar o Google Meet, navegar pelo Google ClassRoom deixando lembretes, correções…

Esclarecer as dúvidas pelo Whatsapp (dentro e fora do horário de serviço, inclusive à noite, finais de semana e feriados), responder aos emails, conferir as dezenas de fotos enviadas das tarefas concluídas (algumas vezes com baixa resolução, letras não legíveis).

Essas foram algumas das inserções. Do outro lado, crianças e adolescentes precisaram igualmente se acostumar ao formato.

Tal modelo exige complemento na disciplina, foco e autonomia para cumprir os horários, pesquisar, perguntar demonstrando interesse e confirmando a participação.

Posturas elementares que requerem organização e iniciativa, além de acesso aos recursos básicos.

Os responsáveis também precisaram se envolver ainda mais, estimulando, conferindo, assistindo junto, ajudando mais na resolução das tarefas.

PUBLICIDADE

Muitos reconheceram, inclusive, a complexidade de se acompanhar mesmo com poucos tutelados.

Imaginando como é atender diariamente tantos alunos, turmas com média de 35, 40 matriculados, cada um com suas características, ritmos, interesses, facilidades e dificuldades, históricos e enfrentamentos.

Lecionar com carinho e dedicação sem dúvida é missão


Sabemos que ainda são necessários ajustes e que é crucial o diálogo entre todos os envolvidos para que os discentes obtenham um melhor aproveitamento.

O que está em jogo não é somente a aprovação para o próximo ano letivo, o mero preenchimento dos boletins ou o cumprimento dos itens dos currículos.

Os professores e equipe gestora lutam para que o aprendizado seja efetivo.

A interação acaba não sendo muitas vezes a mesma e até mesmo o empenho porque o professor não está ali ao lado chamando a atenção e frisando para que concluam as lições de minuto em minuto, passando entre as carteiras, ou seja, é concedido maior controle aos próprios alunos, que se conscientizar para não deixarem a distância de fato ocorrer.

Abrir as câmeras, ligar o microfone quando solicitado, ler previamente o conteúdo, deixar os cadernos em ordem, fazer as correções em conjunto, entrar nos encontros síncronos no horário marcado, compartilhar o que compreenderam.

A quarentena ultrapassou o tempo previsto. Vários municípios decidiram que as aulas remotas continuarão até o término desse ano.

Portanto, professores continuam a se concentrar para cumprir os afazeres didáticos, esperando que a recíproca por parte dos estudantes seja verdadeira.

Entretanto, sabemos que muitos estão passando por dificuldades ligadas à epidemia, como perdas de entes queridos e o desemprego.

PUBLICIDADE

Dentro do possível, com respeito, diálogo e acolhimento a escola pode oferecer assistência.

Que consigamos dar as mãos e ter calma para passarmos por esse momento delicado da história.

Reportar erro

Escrito por Patricia C. Occhiucci

Psicóloga (CRP 06/165961), poeta, escritora, palestrante, professora do Ensino Fundamental na disciplina de Ciências Físicas e Biológicas. Apreciadora da natureza e das boas companhias. Nos momentos de lazer gosta de ler romances e ouvir belas canções.

Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0
Consequências de um ambiente de trabalho LGBTfóbico

Consequências de um ambiente de trabalho LGBTfóbico

A urgência de educar para o cuidado

A urgência de educar para o cuidado